correntes

Perdas por efeito pelicular nas linhas aéreas de corrente alternada – 1.ª parte

Para além das perdas por efeito de Joule (P = RI2) devido à resistência do condutor em corrente contínua…

Manuel Bolotinha
Engenheiro Electrotécnico – Energia e Sistemas de Potência (IST – 1974)
Mestre em Engenharia Electrotécnica e de Computadores (FCT/UNL – 2017)
Membro Sénior da Ordem dos Engenheiros
Consultor em Subestações e Formador Profissional

Introdução

Para além das perdas por efeito de Joule (P = RI2) devido à resistência do condutor em corrente contínua, das perdas por efeito de coroa, que dependem, entre outros factores, da frequência da rede e das condições atmosféricas, e das perdas por efeito de proximidade (dos condutores), as linhas aéreas de corrente alternada têm também perdas devidas ao efeito pelicular, que são o objecto deste artigo.

As perdas por efeito pelicular resultam do aumento da resistência dos condutores da linha. Este aumento de resistência é também influenciado pelo efeito de proximidade. Consequentemente o aumento da resistência dos condutores origina um aumento das perdas por efeito de Joule.

Para ler o artigo completo faça o download gratuito da revista “o electricista” nº66. Verifique o seu email após o download. Pode também solicitar apenas este artigo através do email: a.pereira@cie-comunicacao.pt

    Selecione as sua(s) área(s) de interesse

    Utilize a tecla Ctrl para selecionar mais que uma opção

Download – Última edição

oelectricista72

    Selecione as sua(s) área(s) de interesse

    Utilize a tecla Ctrl para selecionar mais que uma opção

(Irá receber um email com o link de download.)