utilização de arrancadores suaves

A utilização de arrancadores suaves na proteção de motores e máquinas

Arrancar um motor assíncrono, o motor mais comum na indústria, é uma questão muito relevante e que requer a atenção de dois aspetos importantes: corrente inicial consumida da rede no momento do arranque e o torque necessário para mover esse mesmo motor.

Existem vários métodos de arranque de motores assíncronos. Um dos mais conhecidos métodos é via arrancadores suaves. Muitos têm a ideia que um arrancador suave apenas tem a capacidade para limitar a corrente de arranque. Neste artigo vamos comprovar que um arrancador suave pode controlar todo o processo de arranque e não apenas limitar o consumo da corrente inicial.

Arranque Direto

Este método é mais usado na indústria. O motor é ligado diretamente à rede elétrica, sem qualquer tipo de equipamento que reduza a corrente inicial e o torque necessário ao arranque do motor. Normalmente, o motor é iniciado através de um contactor diretamente para a linha.

Figura 1. Corrente do motor no arranque direto.

Como podemos verificar na Figura 1, a corrente do arranque direto é 4,5 vezes superior ao da corrente nominal do motor.

Os motores de média tensão têm uma corrente de arranque tipicamente 4,5 a 6,5 vezes maior do que a corrente nominal do motor. Motores de baixa tensão têm normalmente correntes de arranque 5 a 8 vezes maior do que a sua corrente nominal.

Há ainda casos em que estes valores de corrente poderão exceder os valores indicados.

Figura 2. Torque inicial motor no arranque direto e torque em carga.

A Figura 2 apresenta o comportamento do torque de um motor assíncrono com arranque direto e a respetiva carga a mover (a curva apresentada na Figura 2 representa a carga de uma hélice marinha com início de carga zero).

Há dois pontos que devem ser considerados e que são importantes na relação torque/velocidade num arranque direto: Torque de arranque – representa o torque que o motor produz no início do seu arranque, quando a sua velocidade é zero (motor parado).

Nos motores de baixa tensão este torque é de até 2 vezes o torque nominal do motor. Nos motores de média tensão o torque de arranque é normalmente menor do que a nominal do motor.

Torque máximo – representa o torque que o motor produz no final da rampa do processo de arranque. Tanto nos motores de baixa tensão como nos de média tensão o binário de rutura dos motores é até 2,5 vezes o binário nominal do motor.

Artigo adaptado por F.Fonseca.
Fonte: Artigo Soft Starters – Not Just for Current Limiting Only, da Solcon.

Para ler o artigo completo faça a subscrição da revista e obtenha gratuitamente o link de download da revista “o electricista” nº78. Pode também solicitar apenas este artigo através do email: [email protected]

Outros artigos relacionados

Translate »