Revista o electricista

a iluminação em ambientes de cuidados de saúde

A iluminação em ambientes de cuidados de saúde

Neste artigo falamos sobre a iluminação LED em ambientes de cuidados de saúde. Este tipo de ambientes tem necessidades muito específicas em diferentes valências e a iluminação é, sem dúvida, parte delas.

Os espaços onde são prestados cuidados de saúde precisam, na maioria dos casos, de iluminação artificial assegurada permanentemente durante o seu funcionamento. No caso dos hospitais, por exemplo, as necessidades são as mais elevadas, sendo exigida iluminação contínua durante 24 horas e todo o ano.

Estes ambientes comportam diferentes espaços onde são executadas tarefas distintas e, por isso, necessitam de iluminação específica. Temos, por exemplo, salas de espera e espaços de circulação, áreas de enfermaria e tratamento, áreas de observação, salas de exame e blocos operatórios.

As normativas e os parâmetros essenciais

A OMS indica 3 parâmetros fundamentais a serem considerados na iluminação de hospitais e outros locais dedicados a cuidados de saúde:

  1. Nível de iluminação – definido pela norma europeia BS-EN 12464;
  2. Índice de Restituição ou Renderização Cromática (IRC) – capacidade da fonte de iluminação de apresentar as cores dos objetos de forma natural ou realista;
  3. Temperatura de cor – a cor da luz emitida pela luminária.

Sendo áreas com constante necessidade de iluminação, os projetos de iluminação de ambientes de cuidados de saúde devem cumprir os parâmetros definidos para estes 3 pontos.

A iluminação LED, pelas suas caraterísticas, vai naturalmente ao encontro desses requisitos. Por exemplo, o IRC para as luminárias LED encontra-se entre 70-98%, o que as torna muito próximas da iluminação natural, e as destaca relativamente a outro tipo de luminárias.

De acordo com a norma europeia, a temperatura de cor para a maioria das áreas de um hospital deve ser mantida acima de 4000 K. Já nos espaços onde a representação da cor é importante, como salas de tratamento e blocos operatórios, o IRC deve ser superior a 90% e a temperatura de pelo menos 5000 K.

No entanto, nos locais de descanso e de conforto para os pacientes a temperatura de cor deve rondar os 3000 K e o IRC basta superar os 85%.

Primelux

Para ler o artigo completo faça a subscrição da revista e obtenha gratuitamente o link de download da revista “o electricista” nº 85. Pode também solicitar apenas este artigo através do email: a.pereira@cie-comunicacao.pt.

Outros artigos relacionados

Translate »