Revista o electricista

A gestão técnica das unidades hoteleiras

A gestão técnica das unidades hoteleiras

Numa altura em que o alojamento em Portugal é uma das parangonas da comunicação social no nosso país…

Numa altura em que o alojamento em Portugal é uma das parangonas da comunicação social no nosso país, os números apresentados pela Deloitte na 13.ª edição do Atlas da hotelaria espelham um mercado altamente competitivo. Vejamos: só em 2017 surgiram 48 novos empreendimentos turísticos e mais de 3350 unidades de alojamento. Como se compreende, num ambiente de tanta competitividade, os custos assumem um papel fundamental na hotelaria. O iep ao efetuar serviços de due diligence na manutenção das infraestruturas hoteleiras verifica que, em média, cerca de 60% dos custos operacionais destas unidades são aplicados na manutenção.

A nossa experiência permite-nos concluir que estes custos diminuem quando há um investimento maior em manutenção preventiva, e isto acontece porque, por um lado se prolonga a vida útil dos equipamentos e infraestruturas reduzindo a despesa, e por outro porque quando as unidades hoteleiras têm uma gestão das infraestruturas eficiente, torna-se um fator com impacto direto no conforto dos clientes e influencia diretamente a satisfação dos hóspedes.

Assim, os custos em manutenção preventiva deveriam ser vistos como um investimento e não como uma despesa como tantas vezes é feito.

A época baixa é a altura certa para a realização deste tipo de manutenção. As épocas com uma menor taxa de ocupação permitem a execução de trabalhos de manutenção sem impacto no normal funcionamento dos hotéis.

IEP – Instituto Eletrotécnico Português
Tel.: +351 229 570 000/15 · Fax: +351 229 530 594
[email protected] · www.iep.pt

Para ler o artigo completo faça a subscrição da revista e obtenha gratuitamente o link de download da revista “o electricista” nº67. Pode também solicitar apenas este artigo através do email: [email protected]

Outros artigos relacionados

Translate »